Economia

Banco Inter anunciam prazo maior para pagamento da Fatura do cartão

Em meio a crise causada pela pandemia que estamos atravessando, alguns bancos resolveram conceder um alivio para os seus clientes, entre eles está o Banco Inter que estipulou o prazo de até 60 dias para o pagamento de faturas do cartão de crédito com um limite de até R$ 4 mil — sem cobrança de juros. Vale ressaltar que esse beneficio é somente para clientes que estiverem em dia até o 4 de abril.

Bancos que concederam prazo maior

O Banco Inter não foi o pioneiro nessa ação, no dia 16 de março, os principais bancos do Brasil (Banco do Brasil, Itaú, Caixa Econômica Federal, Santander e Bradesco) também anunciaram o prorrogamento de 60 dias para os vencimentos de dívidas.

O benefício é concedido a todas as pessoas físicas e jurídicas (micro e pequenas empresas) lembrando que esse benefício é concedido para as pessoas que possuem empréstimos nesses bancos e não para a fatura do cartão como o Banco Inter, vale lembrar também que somente clientes com a parcela em dia podem usufruir desse alivio.

Críticas nas redes sociais

Do outro lado da moeda alguns bancos ficaram em silêncio e provocaram uma enxurrada de críticas em suas redes sociais, vamos destacar o banco que possuí hoje o público “mais digital” de clientes: O Nubank.

O Nubank se destaca por ser um dos pioneiros dos bancos digitais do país, destaque para o seu cartão de crédito sem cobranças de anuidade e a sua Nuconta que facilita e muito o envio de dinheiro para outros bancos via Ted de maneira gratuita. Mas porque um banco até então tão querido por todos passou a ser criticado?

A crítica se instalou quando os clientes passaram a comentar nas redes sociais se haveria de alguma forma um prazo maior para o pagamento da fatura do cartão ou alguma outra “colher de chá”, o banco optou pelo silêncio durante esse tempo, o que temos de concreto até o momento é que o banco não irá prorrogar o vencimento das faturas do cartão de crédito nubank. Veja trechos da discussão de alguns clientes:

O momento é delicado para todos, esperamos que o Nubank flexibilize o vencimento das faturas para ajudar os seus clientes, que o exemplo do Banco Inter venha incentivar outras instituições e que mais pessoas possam ter essa opção para equilibrar suas finanças.

Se o seu banco realizou alguma ação nesse sentido, deixe um comentário para que mais pessoas possam saber e usufruir dessa vantagem.

Política

Eleições 2020 – Informações importantes

Em alguns meses, os eleitores vão às urnas para escolher prefeitos e vereadores. Será a primeira eleição em que os partidos não poderão fazer alianças para as câmaras municipais.

A eleição está marcada para 4 de outubro de 2020, para a escolha de prefeitos e vereadores. O segundo turno das votações será realizado no dia 25 do mesmo mês.

Para participar das eleições, os partidos precisarão registrar seu estatuto no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até seis meses antes do pleito.

Os candidatos a prefeito poderão formar coligações com outros partidos para disputar as eleições, no entanto, as coligações partidárias estarão proibidas para as eleições proporcionais. Nas eleições de 2020, estas serão os vereadores.

E o partido deverá reservar cota mínima de 30% para as mulheres, e está proibida a candidatura avulsa, mesmo que a pessoa já seja filiada a um partido. A idade mínima para se eleger é de 21 anos para prefeito e vice-prefeito, enquanto 18 anos para vereador.

O teto para o gasto da campanha será igual ao de 2016 e corrido pela inflação. O candidato poderá se autofinanciar em até 10% do limite de gasto para o cargo.

As doações somente poderão ser realizadas por pessoas físicas, e limitadas até 10% dos rendimentos no ano interior a eleição.

Quanto as propagandas

A propaganda eleitoral será permitida após o dia 15 de agosto de 2020, mas não pode envolver pedido explícito de voto. É interessante que a lei não considera propaganda eleitoral antecipada o anúncio de pré-candidatura ou exaltação de pré-candidato por suas qualidades pessoais.

É proibido qualquer tipo de propaganda eleitoral paga no rádio ou na televisão. A propaganda gratuita é permitida nos 35 dias anteriores à véspera das eleições. Propaganda eleitoral pela imprensa é permitida também a partir do dia 15 de agosto.

ATENÇÃO!

É permitido fazer campanha na internet por meio de blogs, redes sociais e sites. Partidos e candidatos podem contratar o impulsionamento de conteúdo (através de ferramentas de alcance de conteúdo) no entanto, o impulsionado NÃO PODE ser feito por pessoa física.

É crime a contratação direta ou indireta de grupos de pessoas para fazer comentários na internet ou enviar mensagens no intuito de ofender a honra ou denegrir a imagem do candidato, partido ou coligação.

Também, a propaganda de rua é regulamentada. É proibida a propaganda de qualquer natureza (faixas, pinturas, cavaletes, bonectos) em locais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos e estádios, mesmo que de propriedade privada.

A proibição também se estende  a postes de iluminação pública, sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes e paradas de ônibus, árvores, muros e até cercas!

Mas, é possibilitada colocar bandeiras na rua desde que não atrapalhe o trânsito de pessoas e veículos, vem como colar adesivos em carros, motos, caminhões e bicicletas, além de janelas residenciais.

É necessário ter muito cuidado nas propagandas, para não cometer ato ilegal.

Resoluções

As resoluções do Tribunal regulamentam dispositivos contidos na legislação e sinalizam a candidatos, partidos políticos e cidadãos as condutas permitidas e vedadas durante o processo eleitoral.

O TSE tem até o dia 5 de março de 2020 para publicar todas as resoluções sobre as eleições, de acordo com o artigo 105 da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997).

Pesquisas Eleitorais

A partir do dia 1º de janeiro, toda pesquisa de opinião pública que envolver as eleições ou candidatos devem ser previamente registradas na Justiça Eleitoral por meio do Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesqEle). Esse registro deve ocorrer em até cinco dias antes da divulgação. As regras estão disciplinadas na legislação eleitoral e detalhadas na resolução aprovada hoje. Entre as novidades incluídas na norma, está uma sugestão da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep) para fixar um marco a partir do qual é admitida a retirada de um candidato da pesquisa. Sendo assim, o texto passa a determinar que o candidato cujo registro seja indeferido, cancelado ou não conhecido somente poderá ser excluído da pesquisa quando cessada a condição sub judice, ou seja, quando houver um julgamento definitivo sobre o seu pedido de registro. Essa novidade foi incluída no parágrafo 1º do artigo 3º da resolução.

Todas essas informações são essenciais para o eleitor, que deve conhecer bem as normas de propaganda de seu candidato, bem como ocorrerá as eleições.

Economia

Quais os motivos que levaram o dólar bater recorde frente ao real

As oscilações de moedas estrangeiras ocorrem devido à entrada e saída de fluxos de moedas internacionais na economia, e no Brasil essa taxa varia de acordo com o mercado.

O regime de banda cambial é o mínimo e máximo do dólar, e varia de acordo com o movimento do mercado, com a lei da oferta e da demanda, bem como pela procura de dólares no Brasil. O Banco Central intervém quando o valor da moeda atinge alta ou baixa volatilidade durante o pegão.

Para entender porque o dólar bate recorde frente ao real, é necessário entender os motivos da valorização do dólar sobre o real, e as circunstâncias que o inverso pode ocorrer:

Os motivos que geram valorização do real sobre o dólar podem ser:

Superávit

O superávit ocorre quando o saldo das exportações é maior que o das importações. Pois, quando o Brasil vende mais produtos no exterior, as empresas brasileiras recebem pagamento em dólar, e o fluxo financeiro de pagamentos gera uma entrada de dólar no Brasil.

Gastos de turistas estrangeiros

Quando trocam dólar por real no Brasil, aumenta a oferta de dólar no país e a demanda por real, assim, o aumento dos gastos de turistas estrangeiros no país contribui para a queda do dólar em relação ao real.

Juros brasileiros

Quando a taxa de juros brasileira sobe, se torna mais atrativo os investidores colocar dinheiro nas aplicações financeiras do país porque o dinheiro vai render mais.

Os motivos que levam o dólar a valer mais que o real, podem ser:

Crises Financeiras

As crises financeiras, sejam internas ou externas, causam influência na variação do dólar, porque os investidores preferem investir em uma economia sem risco.

Economia dos EUA e o mundo

Os Estados Unidos da América são uma economia mais forte do mundo, assim, questões político-econômicas de cunho internacional, afetam os ânimos dos investidores. Uma tendência a interdependência entre economias é cada vez maior, portanto existem preocupações sobre os efeitos que as incertezas e expectativas negativas causam na economia e cotação do dólar.

Déficit comercial

Ocorre quando o Brasil compra mais produtos de fora do que vende, assim, havendo mais saídas de dólares do país. Cai a oferta de dólares, e puxa para a cima a cotação da moeda sobre o real.

Gastos de brasileiros no exterior

Os gastos no exterior são uma maneira de medir se a moeda nacional está em alta ou não. Se desvalorizada, os brasileiros tendem a consumir menor no exterior, e se em alta, o poder de compra dos consumidores aumenta e se espera um nível maior de gastos no exterior.

Juros americanos

Se os juros dos Estados Unidos sobem, a tendência é que saiam dólares do Brasil já que a taxa lá fora fica mais atrativa para os investidores.

Então, o que finalmente levou o dólar bater recorde frente ao real?

O dólar está subindo por uma série de razões. A principal delas é a saída de recursos de país. O fluxo cambial está negativo, em US$ 21,5 bilhões, sendo o pior resultado obtido para o período desde 1999, quando o Brasil modificou seu sistema cambial de fixo para flutuante.

Na parcial de novembro, a moeda norte-americana acumula alta de 5,73% sobre o real. No ano, o avanço até agora é de 9,43%.

Como as exportações diminuíram, o fluxo de dólares para o país está menor. Para piorar, parte dos exportadores está preferindo deixar recursos lá fora.

Os investidores também estão muito incomodados com o péssimo clima na América Latina. A região vem se despontando como uma das mais instáveis do mundo. Mesmo países considerados no caminho certo, segundo o manual econômico tradicional, como o Chile, sucumbiram à crise política.

Mesmo a Ibovespa, que mede o principal índice de lucratividade da Bolsa de Valores, registrou perdas. Portanto, entende-se que o clima político afeta todo o cenário econômico.